Skip navigation
User training | Reference and search service

Library catalog

EDS
b-on
More
resources
Content aggregators
Please use this identifier to cite or link to this item:

acessibilidade

http://hdl.handle.net/10071/17447
acessibilidade
Title: Espaço de representação: o 1° de Maio de 1974 e a ressignificação da Alameda
Authors: Amorim, P.
André, P.
Editors: Paula André, Paulo Simões Rodrigues, Margarida Brito Alves, Miguel Reimão Costa
Keywords: Espaço público
Manifestação
Representação
Alameda Dom Afonso Henriques
Issue Date: 2018
Publisher: DINÂMIA'CET-IUL
Abstract: Uma semana após a revolução que depôs a ditadura do Estado Novo, o 1º de Maio de 1974 foi a primeira grande manifestação depois de décadas em que o direito à “reunião” esteve proibido. As ruas de Lisboa foram tomadas pela população, que rompeu a ordem quotidiana da capital portuguesa, quando, a Alameda Dom Afonso Henriques, tomada por expressões massivas em prol da liberdade, se torna palco da maior concentração de cidadãos. Planeada e construída entre os anos de 1927 e 1948, sob o comando do Ministro das Obras Públicas, Duarte Pacheco, a Alameda é concebida no período em que as campanhas de planeamento urbano do Estado Novo visavam a ordem e o controle do espaço pelo Estado, no qual tendia a consolidação de um regime que louvava a tradição histórica e os valores conservadores do passado. De fato, se a Alameda Dom Afonso Henriques constitui uma referência no âmbito de uma arquitectura operacionada pelo poder ideológico do Estado Novo, é, igualmente, uma revelação de um espaço público onde as manifestações político-sociais, ressignificaram o espaço urbano, transformando-o num produto da construção colectiva. Assim, este estudo debruça-se sobre o estudo dos Espaços de Representações, centrando o quadro conceptual nos autores Tonino Bettanini (1982) - Espaço e Ciências Humanas -, que apresenta o pensamento sobre o espaço de representação baseado no termo proposto pelo historiador alemão Georg Mosse (1974), -The Nationalization of the Masses -, onde analisa os espaçosmonumentos criados pela Alemanha Nazista como forma de promover a cristalização do ideal da pátria e da nova ordem instaurada; e Henri Lefebvre (2006) - A Produção do Espaço - que expõe o pensamento acerca do espaço social, no qual atribui ao espaço de representação o aspecto simbólico e o espaço vivido através das imagens e símbolos que o acompanham. Pretende-se, deste modo, reflectir sobre o significado do espaço de representação como materialização de um regime opressor, mas também, retratar através do objecto de estudo, o contraponto com a rigidez do monumento, o qual se revela como um espaço dinâmico, de natureza simbólica, apresentando-se como objecto central no processo de afirmação e legitimação de uma organização social.
Peer reviewed: yes
URI: https://ciencia.iscte-iul.pt/id/ci-pub-54246
http://hdl.handle.net/10071/17447
ISBN: 9789897810336
Appears in Collections:DINÂMIA'CET-CRN - Comunicação a conferência nacional

Files in This Item:
acessibilidade
File Description SizeFormat 
Espaço de Representação1.pdfVersão Editora3.35 MBAdobe PDFView/Open


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Currículo DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.